A normal life...

29 abril 2010



Com tempo fui ganhando carapaça para lidar com uma leve indiferença a desgraças que leio nos jornais ou que vejo na televisão. É "mais" um terramoto que aconteceu na Ásia, "mais" uma bomba que explodiu no Iraque, mais umas cheias que acontecerem num país que nem sei muito bem onde fica. São rostos desconhecidos e histórias que acontecem tão longe que em nada perturba o jantar ou fazem arrefecer o café.

Agora e quando o infortuno bate à porta de uma amiga com quem falamos ainda ontem e que foi submetida a uma operação delicada, a um vizinho a quem lhe esvaziaram completamente a casa enquanto esteve de férias, um primo que está desempregad e com contas dos filhos a pagar, uma colega de trabalho da namorada que se suicidou, um familiar com doença degenerativa crónica ou um amigo que teve um acidente de carro quando vinha so cinema, em que o carro foi para a sucata e ainda lhe falta pagar 3 anos do crédito que pediu emprestado ao banco. Em suma, alguém de quem sabemos alguma da sua história de vida e tem um ponto de contacto connosco.

Nestas circunstâncias o azar alheio já é mais pessoal e existe aquela sensação de poderia ser eu.
Mas não sou e há que perceber que ter uma constipação que demora uma semana a curar, ter um pneu furado, perder um avião, não receber o bónus da empresa, não ter um projecto mais desafiante não é assim um grande problema, apenas uma situação chata.

Por exemplo, há dez anos atrás tive um despiste de carro. Perdi a tracção do carro, este caiu num campo agrícola desnivelado, capotou duas vezes até que se imobilizou, ao contrário, com os pneus fumegantes virados para cima. Azar? Se calhar com pneus menos carecas e com mais atenção à estrada o acidente poderia ser evitado. Tive foi muita sorte, pois a 2 metros do local para onde o carro voou, havia uma fila de esteiros de pedra. Os dias seguintes ao acidente foram de tal forma saboreados como poucas vezes até hoje.

A título de curiosidade, sabem o que disse quando saí do carro? Apesar de algumas dores, consegui desprender o cinto, empurrar a porta e colocar-me de pé. Reparo que alguns carros estão parados, pessoas correm em direcção a mim e bem alto eu digo: Foooodaaassse, ainda ontem atestei 30Eur em gasolina...

Botton line:
Por mais precauções que tenhamos para evitar males maiores, muito provavelmente iremos ser confrontados com situações que não controlamos e onde seremos impotentes para as ultrapassar. E nesssas alturas vamos desejar voltar a um ponto no passado onde a vida era simplesmente normal e que não parecia assim tão má de todo.

Bem, e sabem que mais? Hoje é Queen's Night cá na Holanda! E como amanhã é feriado....
...Marujada, bom fim-de-semana ;)

2 comentários:

  1. Patrícia Castro disse...
  2. Pedro, teus devaneios são angústias de todo o ser humano. Vivemos como se fôssemos imortais, deixando de lado precauções, ou mesmo esquecendo-nos de ser feliz hoje, fazer feliz, hoje, a quem amamos entre outras coisas. Lembremos que somos mortais. Abração.

  3. Miguel disse...
  4. 30€ em 2000?? In your dreams =D llllllllloooooooolllllllll